©2019 by Como a Gente Mora. Proudly created with Wix.com

  • Nádia Simonelli

Um apartamento pequeno, charmoso e cosmopolita

Em 50 m², o arquiteto Rafael Zalc vive muito bem, obrigada, no centro de São Paulo


Fotos: Romulo Fialdini



No ano passado este apartamento, recém-terminado e ainda inédito, chegou à redação da revista Casa Claudia e logo foi aprovado para a publicação na edição seguinte. Eu era uma das editoras lá e ele veio parar nas minhas mãos para que eu cuidasse da reportagem e do texto. Logo, liguei para o arquiteto Rafael Zalc, que ainda não conhecia, e o entrevistei para escrever sua história. Pena que a revista foi encerrada no meio do caminho e o apartamento não foi publicado naquelas páginas. Mas, nessa semana, ele chegou em minhas mãos novamente e logo me lembrei do texto prontinho que nunca tinha sido divulgado. Então, aqui vai ele, seguindo o curso das coisas... O projeto é do Rafael junto com o escritório Rua 141 e tem um conceito conectado com o estilo de vida agitado das grandes metrópoles.


O arquiteto paulistano Rafael Zalc havia comprado este apê de 50 m², na região central de São Paulo, como uma fonte de renda extra. A ideia era alugá-lo para alguém. Mas o profissional se encantou com a possibilidade de viver num prédio de uso misto e mudou de planos. “É um conceito que permite morar e trabalhar no mesmo lugar. Além disso, faço diversas atividades sem precisar me deslocar tanto”, explica. Essa comodidade fisgou Rafael, que elaborou um projeto de reforma, junto com o escritório Rua 141, para deixar o imóvel bem ao seu estilo.


Tapete da By Kamy, mesa de centro da Decameron e sofá da Prototype

Como a metragem é enxuta, ele derrubou as paredes e integrou o quarto à área social. “A estante, feita de vergalhões e chapas metálicas, setoriza os ambientes e dá certa privacidade quando recebo visitas”, explica. Outro recurso para ampliar o espaço foi estender o living até a varanda. “Nivelei o piso das duas áreas e também eliminei esquadrias e paredes. Alguns tubos de hidráulica passavam por ali. Deixei os canos aparentes e pintei de preto para incorporá-los ao décor”, conta.


Banquetas da Ignis Industrial

O mood industrial, trazido pelo uso de ferro, concreto e madeira, inspirou a decoração, cheia de criações de jovens designers brasileiros, como Gustavo Bittencourt e Tiago Curioni. “Usei, principalmente, peças de quem iniciou a carreira nos últimos anos, pois acredito ser uma produção muito rica e ainda pouco reconhecida”, conta. Além disso, Rafael e o escritório Rua 141 elaboraram toda a marcenaria do apartamento e criaram alguns móveis, como a cama, as bancadas e um banco que também funciona como escrivaninha. “O desenho dessas peças é tão importante para o projeto quanto a arquitetura dos ambientes”, afirma. Sobre os materiais que escolheu para os acabamentos e o décor, o profissional diz que se inspirou no conceito de upcycling e deu um novo uso a alguns elementos simples, como a lona de caminhão na cabeceira da cama e as mangueiras de gás que dão forma ao lustre da sala de jantar. O resultado é um apartamento de alma jovem, descolado e multiúso, ideal para quem tem uma vida agitada, mas não abre mão de morar com estilo e conforto.



Lustre Medusa da 80e8, mesa de jantar da Estar Móveis, cadeiras de Gustavo Bittencourt e fruteira de Thiago Bicas (Dpot Objeto). À esquerda, neon da Três Estações

A estante foi desenhada pelo arquiteto, em parceria com o escritório Rua 141, e executada pela Ferrarte Ferro e Madeira

Criado-mudo da Acierno e, na parede, escultura de arame assinada por Simone Grecco